“GRITOS” O PROJETO FOTOGRÁFICO DE ANTONIO MACÍAS

O Museu de Arte Africana Arellano Alonso continua com sua programação de verão. Neste caso, com uma nova exposição temporária de fotografias. Tidas e dinâmica. Sob o título de “Gritos”, Antonio Macías iniciou em 2014 um projeto no qual fotografa pessoas, amigos em geral, gritando. As sessões fotográficas são realizadas em diferentes bares, salas e espaços, tanto públicos quanto privados, com a ideia de retirar os protagonistas do estúdio fotográfico e tornar as fotos mais extrovertidas e dinâmicas.

As imagens mostram gritos de crianças, mães, avós, músicos, dançarinos, garçons…, pessoas comuns que através de um grito, expressam sua liberdade, sua raiva, seus sonhos ou até mesmo sua felicidade. Tecnicamente, as imagens, de 50×70 cm, são tratadas através de texturas digitais, a fim de acentuar sua expressividade.

Quanto ao autor, Antonio Macías nasceu em Valladolid em 1980. É Engenheiro Florestal Técnico, mas também designer gráfico e codiretor do Festival de Curtas-Metragens de Rodinia e fotógrafo, entre outras facetas. Sua carreira como fotógrafo vai desde reportagens gráficas para diferentes revistas e blogs, até fotografia paisagística.O Norte de Castela, a Junta de Castilla y León, o Festival de Teatro e Artes de Rua de Valladolid (TAC), o Laboratório das Artes de Valladolid (LAVA) e outras entidades, valorizaram e, por vezes, premiaram seu trabalho artístico. Ele também tem muitos prêmios e menções, principalmente por sua faceta como paisagista. Atualmente publicou, e à venda, o livro de fotografias “Vilas Perdidas”, baseado em um projeto pessoal.

A exposição pode ser visitada de 11 a 18 de setembro, na galeria superior da Sala de San Ambrosio do Palácio de Santa Cruz, durante o horário habitual de funcionamento da sala. A entrada é gratuita.